Generosidade para fazer vencedores

27/12/2012 09:58

Saiba como projetos sociais utilizam as artes marciais para transformar a realidade de jovens carentes

O período natalino mobiliza um comportamento de solidariedade nos corações. No entanto, para alguns, o sentimento de generosidade prevalece o ano inteiro. Por meio das artes marciais, muitos atletas buscam na luta um caminho para ajudar a vida de crianças e jovens carentes. Ao final, mais do que atletas promissores para representar o Brasil nas competições, os alunos aprendem todo o contexto de disciplina e respeito que envolve cada um dos esportes.

 

Além da técnica

O endereço não impede que muitos jovens cruzem a cidade para participar dos projetos. É o caso das aulas do presidente da Federação de Taekwondo do Ceará, Fábio Almeida (Ronin). Da sua turma de quase 40 atletas, além da variação de idade, muitos são de bairros diferentes, como Benfica ou Luciano Cavalcante.

Os treinos acontecem de segunda a sexta-feira, das 18h as 19h30, na escola Edith Braga, no bairro Alto da Balança; e aos sábados, das 15h as 17h; na Genny Gomes, localizada préximo ao aeroporto. Em cada exercício, os alunos aprendem mais do que golpes da arte marcial.

"O taekwondo dá maior equilíbrio, disciplina e persistência. Eles aprendem a lutar pelos seus objetivos e aceitar a derrota como forma de aprendizado", acrescenta. Por isso, Ronin desejou implantar esse projeto. "Moro na Aerolândia e quis dar oportunidade para a garotada daqui, pois o esporte me ajudou muito na minha formação", justifica.

 

Taekwondo nas escolas

tv.diariodonordeste.com.br/media/embed/4d2eb45c60d91dd7b4c2279e4a301bb1/620/350

 

Taekwondo: projetos sociais não demoram a dar frutos

Da oportunidade foi descoberto o talento. Em 2010, o presidente da Federação de Taekwondo do Ceará, Fábio Almeida (Ronin), resolveu desenvolver um projeto social voltado a crianças e adolescentes da Aerolândia. Dentre os participantes estava Yandra Dias, atual promessa do Ceará na categoria de até 49kg.

Em apenas dois anos de prática, ela tornou-se faixa preta. Dos movimentos mais simples aos mais complexos, aprendeu na equipe de Ronin. A motivação pode ser traduzida em amor pelo esporte. "Com um mês de treino, eu perguntei se ela queria ser campeã brasileira. Ela me respondeu que sim, então eu disse que se dedicasse como vinha mostrando, seria campeã. Este ano, Yandra foi vice no 1º campeonato brasileiro que disputou e já vai participar da 1ª seletiva nacional em janeiro", aponta, com orgulho, o técnico Ronin.

Com apenas treze anos e duas semanas de treino, Yandra participou da sua primeira competição. É com esse vigor e disposição que ela pretende conquistar a vitória na seletiva nacional fechada juvenil que acontece dia 20 de janeiro, no Rio de Janeiro.

 

Preparação

Em sua última disputa do ano, a cearense foi eliminada nas quartas de final da Copa Brasil de Taekwondo. "Eu perdi por um ponto de diferença porque eu estava com um tumor, infelizmente, e isso me atrapalhou", explica. Por essa razão, decidiu dispensar a sua participação no Super Taekwondo Open, que aconteceu neste mês em Fortaleza, para "se poupar".

Embora esteja ainda em recuperação, ela mantém os treinos quase que diários de preparação física e de treinos táticos. "Eu tenho chance de ser a primeira porque eu estou treinando para isso todos os dias", enfatiza a atleta. Segundo Ronin, o seu ponto forte é a vontade de quebrar barreiras. "Creio que ela estará brigando pela a vaga olímpica daqui a quatro anos, com condições de se classificar", expõe.

 

Outros destaques

Assim como Yandra, o projeto de Ronin revela outros novos talentos, um deles é o Ítalo Ramos, que treina com ele desde os sete anos. Agora, com 11, Ítalo venceu a 3ª etapa do Circuito Nordeste, em Pernambuco. "Temos uma nova geração se formando no taekwondo, não só na minha equipe mas em outras do estado. Algumas medalhas já estão a caminho, mas precisa de investimento no esporte", alerta.

 

Fonte: Diário do Nordeste, 27 de dezembro de 2012.