Iranianos conquistam apoio da torcida brasileira no taekwondo.

22/07/2011 20:13

Um dos grupos mais animados no Cefan, delegação do Irã ganha reforço da torcida local e retribui com gritos de "Brasil" mesmo durante confronto direto.

 

Rio de Janeiro

Por Adriano Albuquerque

Uma das forças mais tradicionais do taekwondo mundial, o Irã esteve bem representado nos Jogos Mundiais Militares nesta quinta-feira e conquistou duas medalhas no dia, de ouro e de prata. No lado onde ficavam os atletas, a delegação iraniana era uma das mais animadas, constantemente batendo palmas e gritando "Irã, Irã" durante as lutas de seus representantes. O fato curioso foi o apoio dado pela plateia brasileira ao grupo por toda a tarde, o que rendeu cordialidades inclusive durante um confronto direto em plena decisão da categoria acima de 87kg.

Tudo começou nas quartas de final, quando Sajjad Mardani enfrentou o americano Alexander White. Empolgada pela animação iraniana e motivada pela velha rivalidade com a terra do Tio Sam, os brasileiros se juntaram aos gritos orientais e vibraram como se fosse vitória canarinha quando Mardani passou adiante. A partir dali, o apoio aos atletas do Irã esteve presente no resto do torneio, até a decisão da categoria até 74kg, em que Alireza Nasr Azadani derrotou o coreano Ko Jun Ho por 5 a 0. Azadani ficou tão agradecido que foi com a bandeira de seu país até a plateia brasileira.

- Os iranianos adoram o povo brasileiro e o apoio deles foi um dos fatores que me motivaram a buscar esta medalha de ouro - disse Azadani, através de um intérprete.

Em seguida, veio o duelo decisivo entre Leonardo Santos e Sajjad Mardani, e um silêncio respeitoso tomou conta do ginásio no início do primeiro round, como se ambos os lados não soubessem por quem torcer. Com o decorrer do combate, a torcida brasileira voltou a fazer barulho por Leonardo, e para a surpresa de todos, recebeu o coro dos próprios iranianos, que durante um intervalo na luta, trocaram o "Irã" por "Brasil" em seus gritos. A plateia nacional retribuiu, gritando brevemente "Irã", antes de voltar a torcer e vibrar com a vitória de Leonardo.

- O curioso é que o povo iraniano é muito fechado, mas quando começamos a gritar "Irã", eles interagiram e gritaram "Brasil'. Esse é o melhor exemplo que estes realmente são os Jogos da Paz - disse Mariana Faria, Soldado PM que veio de Minas Gerais trabalhar como voluntária nos Jogos e foi ao ginásio acompanhada de duas amigas.

 Fonte: https://globoesporte.globo.com